terça-feira, 13 de maio de 2008

E essa tal coragem existe?


Eu estou com uma vontade de expressar meus sentimentos de alguma forma, fazer algo pra mostrar o quanto o nervosismo dos outros não me atinge. É como se eu estivesse dormindo e alguém viesse me incomoda, é de certa forma eu acho que estou sendo atingida por tão pouco e estúpida reação dos outros. Uma família que não tem paz, não passa de parente suportando(ou não) um ao outro, e isso definitivamente não esta me fazendo bem, alguns pensam nessa idade dos 16 ansiosamente por sua independência definitiva, e as vezes isso me parece um tanto quanto infantil e a outra ali atrás dessa porta trancada nem presta atenção no que faço ou deixo de fazer, ela apenas me transformou, ou tenta me transformar num objeto para ela manusear, e isso esta me cansando de tal forma que nem consigo expressar os meus sentimentos tal escondido lá no fundo, que ela nunca se quer pensou em conversar para entender, só criticou sem ao menos saber o por que muitas vezes ajo de tal maneira que a fere e ela nem quer saber que me feriu primeiro. E eu estou cansando mais uma vez, e outra e mais outra, e ninguém esta percebendo o quanto esta me ferindo lá dentro suportar o insuportável. Há momentos que me sinto feliz, e destes poucos momentos eu faço o objetivo para minha vida, tal falado numa tarde nublada e fria por uma amiga, sem um objetivo nos sentimos tão... Inúteis que até mesmo nem capacidade pra pensar em algum objetivo qualquer temos. E isso dói. Só não dói quanto a facada recebida a cada dia que entro na minha própria casa. Ao sair deste lugar, onde vivo, onde como, durmo e sobrevivo, me sinto tão mais viva... A noite parece passar tão rápida quando queremos ficar... E pena que essa é só uma forma de querer fugir, apenas fugir. Falta-me coragem.
Ah, antes que eu esqueça.. Feliz dia das mães atrazado, querida mamãe.

Um comentário:

frã disse...

Nossa nathy, confesso que fiquei chocada com esse post, e de certa forma me identifiquei, por isso o choque, talvez entendo isso(em mim) como mais uma crise existencialista das muitas por qual passo ou já passei, e digo mais: isso passa, muito antes do que imagina.
;)