domingo, 28 de junho de 2009

Senti tanto ao ponto de não sentir


Meu olhar longe como aquele de quem olha para o mar, reparando em cada onda que existe e cada movimento diferente que acontece, minha perspectiva cada vez mais dispersa na distração. Eu sei que nada está como sempre foi, mas não noto a diferença beneficente, talvez eu tenha até me esquecido o que realmente me faz bem e o que me faz mal, sinceramente eu me anestesiei ao ponto de esquecer o que é sentir. Seria bem mais fácil eu pegar meu violão e descontar nas cordas, se ao menos eu soubesse tocar, seria bem mais fácil eu destruir minhas cordas vocais se eu pelo menos soubesse cantar, seria bem mais fácil eu me distrair numa dança qualquer, se eu ao menos soubesse o que é dançar. Mas já que mais uma vez eu estou de mãos atadas, sem ter o que fazer para espairecer, o olhar insiste em ficar distante, bem longe de qualquer pensamento que possa vir me trazer algo que me torne mais leve. Esses pensamentos apenas são nostálgicos, e a nostalgia dói, quando ela se refere ao que eu passei com você.

4 comentários:

Danilo disse...

acho que você doi tanto, mas tanto, que veste as palavras com uma beleza profunda e melancolica. seu texto é só sinceridade.

Lê Stabiili disse...

Mew....
identificação total com o seu texto!!!!
É assim que me sinto diariamente nos ultimos tempos....Com um olhar sabe-se lá Deus onde!!!!

Ameeeeeeeeeeeiiiii!!!!!

Passa lá no meu...atualizei.....

Abração e tudo de bom!

Andréia disse...

péssimo! péssimo msm! e parece eterno enquando dura neh?

beijos

Alexander Toiévski disse...

=( lamentavel isso que acomtece
gostei muito do seu texto


http://cronicasdigital.blogspot.com/